Wednesday, February 7, 2018

The Portuguese Council for Peace and Cooperation (CPPC) divulges Frederico Carvalho’s address to the seminar “For an End to Nuclear Weapons”, promoted within the framework of CPPC’s campaign for Portugal’s subscription to the Treaty on the Prohibition of Nuclear Weapons.


There are reasons to believe that the nuclear threat is, in the present, the most serious threat weighing upon human societies and the planet, our common home. The number of nuclear warheads, which during the “hottest” period of the cold war exceeded 60 thousand, has been substantially reduced since the 1980s. Today, the military arsenals of the nine nuclear powers include about 10 thousand nuclear warheads, about 4 thousand of which are operational and, among these, two thousand are maintained in high alert status, ready to be mobilized in a few minutes. The total explosive potential of the existing weapons is equivalent to about one billion tons of TNT (50 thousand Nagasaki bombs). The United States and the Russian Federation possess ninety percent of this nuclear arsenal. All nuclear powers, large and small, actively pursue the modernization or improvement of their nuclear arsenals. Five nuclear powers who ratified the Treaty on the Non-Proliferation of Nuclear Weapons (NPT) do so without formally disrespecting the treaty, as it does not prohibit such actions. But, in doing so, they oppose the path enshrined in Article VI of the NPT, namely a path that should lead, in a reasonable timeframe, to the prohibition of nuclear weapons and to general and complete disarmament, under international control. There has been no movement up until now in this direction by the nuclear powers who signed the NPT —on the contrary.

In this context, we underscore two aspects that mark the NPT. On the one hand, the NPT is discriminatory, as it confers rights upon the signing nuclear powers that it denies to states without such weapons. On the other hand, there is nothing in the treaty that delegitimizes the acquisition, development or possession of nuclear weapons by non-signing states. In the present geopolitical framework, a non-nuclear power that, with well-founded reasons, feels threatened by an aggressive nuclear power can simply withdraw from the treaty (or have already withdrawn), and then legitimately procure its own nuclear weapons. If this occurs, and it seems to, the probability increases that the dominating power in this two-sided conflict will resort to a nuclear weapon, risking the involvement of other nuclear powers and the inevitable fatal consequences for life on Earth.

Throughout the cold war, the possession of nuclear weapons was a factor of deterrence that allowed for a certain balance among opposing forces and avoided a generalized conflict. The balance was unstable and is today perhaps even more unstable. A conflict may erupt by accident or an error in the early warning system, which have occurred in the past. Certain political-military decisions by one party may serve to convince the other party of an imminent preemptive nuclear attack and lead it to react. There is no dearth of examples: the unilateral US decision to denounce the Antiballistic Missile Treaty (ABM Treaty), signed in 1972 with the Soviet Union; in recent years, the important reinforcement of NATO’s military means in the immediate land and sea borders of the Russian Federation and Popular Republic of China; the US’s ambitious plan of modernizing the nuclear component of its armed forces, involving not only nuclear explosives, but the three components of the so-called “nuclear triad”, i.e., the three components of a strategic nuclear arsenal capable of projecting nuclear warheads towards pre-selected targets. The triad components are land-based intercontinental ballistic missiles; strategic bomber planes; and submarine-based ballistic missiles. This program of modernization of military nuclear weaponry was initiated by Barak Obama, 2009 Nobel Peace Prize winner, and extends for an additional 30 years, with a total cost exceeding one trillion US dollars. The decision to start this program took place in 2016, nine years after Obama’s famous speech in Prague, when he stated that the US, “as the only nuclear power to have used a nuclear weapon”, had the moral responsibility to act towards global military denuclearization, and underscored “America’s commitment to seek the peace and security of a world without nuclear weapons”. He also affirmed the US would take concrete steps towards achieving this objective. We well know the path being followed today is exactly the opposite, one embraced unhesitatingly by Barak Obama’s successor. We don’t fear being disproven if we state the same would have happened with Hillary Clinton. In our understanding, US policy, in particular regarding defense, is commanded not by the White House but by the interests of the military-industrial complex, denounced by Dwight Eisenhower as a potential threat to US democracy. Meanwhile, we know the two other great nuclear powers, the Russian Federation and Chine, actively pursue the development of their military nuclear arsenals and means based on robotics and artificial intelligence.

The US program of military nuclear modernization was presented to the public as an effort to ensure the viability and security of existing operational nuclear weapons and not in order to introduce technical improvements aimed and increasing their power to destroy targets. This is not what is happening. Technical modifications were introduced based on new, revolutionary technologies that allow an important increase in the precision of US ballistic missiles.

According to Hans Kristensen, of the Federation of American Scientists, this “increase in capability is astonishing—boosting the overall killing power of existing US ballistic missile forces by a factor of roughly three—and it creates exactly what one would expect to see, if a nuclear-armed state were planning to have the capacity to fight and win a nuclear war by disarming enemies with a surprise first strike.”

We don’t doubt the desire for peace of the great majority of inhabitants of the planet, including the people of the US, and their common desire to prevent a nuclear war or that nuclear weapons are ever used again, even if in a limited manner, as in Hiroshima and Nagasaki. Evidence of this desire is given by the approval, last July, in the United Nations, of the Treaty on the Prohibition of Nuclear Weapons, the first judicially-binding international agreement that broadly prohibits nuclear weapons, aiming towards their total elimination. The Treaty was approved by the wide majority of United Nations members (120). There was one abstention (Singapore) and one vote against: the Netherlands, the only NATO country that decided to be present. All other NATO members and all powers that possess nuclear weapons were not represented. Sweden, who has partnership agreements with NATO, has had a favorable position towards the Treaty from the beginning and considers the possibility of signing it. Several NATO members who do not possess nuclear weapons, as well as Japan and Australia, have defended their refusal of the Treaty arguing that US nuclear weapons guarantee their safety. Others consider that the treaty, as an instrument leading towards the abolition of nuclear weapons, will be ineffective, defending that instead concrete steps be taken to implement Article VI of the NPT.

The Treaty on the Prohibition of Nuclear Weapons is open for signature and ratification since September 20th, 2017. On that day, 53 states signed the treaty and 3 others signed it afterwards. Meanwhile, to date only [five] countries have ratified. The signing is a mere statement of intent of becoming part of the treaty. Ratification is indispensable and in the terms of the Treaty it will only come into effect 90 days after ratification by 50 states. One of the three states to ratify was the Holy See.

On November 10th, World Science Day for Peace and Development, as instituted by UNESCO, in the Vatican, there was an International Symposium on Disarmament and Development. In the opening session, Francisco Bergoglio, stated that “existence of nuclear weapons creates a false sense of security that holds international relations hostage and stifles peaceful coexistence. (…)The threat of their use as well as their very possession is to be firmly condemned. (…) The policy of deterrence is no longer acceptable. (…)They exist in the service of a mentality of fear that affects not only the parties in conflict, but the entire human race.”

The vote for the definitive prohibition of nuclear weapons under international law, which took place at the United Nations headquarters last July 7th, should be lauded as a proclamation of a deep aspiration of Humanity to ensure life on Earth, contradicting the tyranny of the merchants of death wherever they be found. It is an historic step towards Peace, despite all the contradictions and obstacles that path faces.

As underscored by the “International Campaign for the Abolition of Nuclear Weapons” (ICAN), “weapons that are outlawed are increasingly seen as illegitimate, losing their political status and, along with it, the resources for their production, modernization and retention.”

Frederico Carvalho

Member of the Portuguese Council for Peace and Cooperation’s Presidency
President of the Scientific Workers Organization


Divulgamos a intervenção de Frederico Carvalho na sessão pública «Pelo Fim das Armas Nucleares», promovida no âmbito da campanha pela adesão de Portugal ao Tratado de Proibição de Armas Nucleares, lançada pelo CPPC.


Há razões para acreditar que a ameaça nuclear é, nos dias de hoje, a mais séria das ameaças que pesam sobre as sociedades humanas e sobre o planeta, nossa casa comum. O número de explosivos nucleares que chegou a ultrapassar 60 mil no período mais “quente” da guerra fria, passe a expressão, foi sendo substancialmente reduzido a partir de meados da década de 80 do século passado. Hoje nos arsenais militares das nove potências nucleares contam-se cerca de 10 mil cabeças nucleares. Destas, cerca de 4 milhares estão operacionais e destas, ainda, cerca de duas mil são mantidas em estado de alerta máximo, prontas a ser mobilizadas em poucos minutos. A potência explosiva total das armas existentes é equivalente a cerca de mil milhões de toneladas de TNT (50 mil bombas de Nagasaki). Noventa por cento deste arsenal nuclear é detido pelos EUA e pela Federação Russa. Entretanto todas as potências nucleares, grandes e pequenas, prosseguem activamente actividades de modernização ou de melhoramento dos respectivos arsenais nucleares. As cinco potências nucleares que ratificaram o Tratado de Não Proliferação das Armas Nucleares fazem-no sem formalmente desrespeitar o Tratado pois o seu articulado não o proíbe. Entretanto, ao fazê-lo, seguem um caminho oposto ao preconizado no Artigo VI do mesmo Tratado, caminho que deveria conduzir, num prazo razoável, à proibição das armas nucleares e ao desarmamento geral e completo sob controlo internacional. Não houve até hoje qualquer movimento nesse sentido — antes pelo contrário — por parte das potências nucleares signatárias do Tratado.

Neste contexto importa sublinhar dois aspectos que marcam o Tratado de que nos ocupamos: por um lado, o Tratado é discriminatório, na medida em que confere às potências nucleares signatárias direitos que nega aos estados que não possuem tais armas. Por outro lado, nada há no Tratado que deslegitime a aquisição, desenvolvimento ou posse de armamentos nucleares por estados não signatários. No quadro geopolítico actual uma potência não nuclear que, com fundamentadas razões, se sinta ameaçada por uma potência nuclear agressiva, pode desde logo retirar-se (ou ter-se já retirado) do Tratado, podendo então legitimamente procurar dotar-se ela própria e pelos seus próprios meios, de armamento nuclear. Se isto acontece e parece acontecer, a probabilidade do recurso à arma nuclear pela potência dominante nesse confronto a dois, torna-se mais provável, com o risco de envolvimento de outras potências nucleares e inevitáveis consequências fatais para a vida na Terra.

No decurso da guerra fria a posse de armas nucleares foi um factor de dissuasão que permitiu que se mantivesse certo equilíbrio entre forças opostas entre si e evitado um conflito generalizado. O equilíbrio era instável e é hoje porventura mais instável ainda.

Um conflito pode eclodir por acidente ou erro de sistemas de alerta precoce, que, aliás, já se verificaram no passado. Certas decisões político-militares de uma parte podem fundamentar da outra parte a convicção da iminência de um ataque nuclear preventivo e levá-la a reagir. Não faltam exemplos. Desde logo a decisão tomada unilateralmente em 2001 pelos EUA de denunciar o Tratado Antimísseis Balísticos (ABM) assinado em 1972 com a União Soviética. Também, em anos recentes, o importante reforço de meios militares da NATO na vizinhança imediata das fronteiras terrestres e marítimas da Federação Russa e da República Popular da China. E ainda o lançamento pelos Estados Unidos de um ambicioso programa de modernização da componente nuclear das suas forças armadas, envolvendo não apenas os explosivos nucleares mas as três componentes da chamada “tríade nuclear”, isto é, as três componentes de um arsenal nuclear estratégico capaz de projectar os explosivos nucleares (nuclear warheads) em direcção a alvos pré-seleccionados. As componentes da tríade são os mísseis balísticos intercontinentais estacionados em terra; os bombardeiros estratégicos e os mísseis balísticos disparados de submarinos. O referido programa de modernização dos meios nucleares militares foi lançado por Barak Obama, Nobel da Paz de 2009, e estende-se ao longo de trinta anos, com um custo total superior a um milhão de milhões de dólares americanos a preços correntes. A decisão de arrancar com o programa de modernização nuclear militar é de 2016, nove anos depois do famoso discurso de Praga em que Obama afirmou que os EUA como única potência nuclear “que usou a arma nuclear“, tinham a responsabilidade moral de agir no sentido, deve entender-se, da desnuclearização militar global, pois sublinhou “o compromisso da América de procurar a paz e a segurança de um mundo sem armas nucleares”. Afirmando ainda que os EUA dariam passos concretos para atingir esse objectivo. Como se sabe, o caminho que hoje está a ser seguido é exactamente o oposto, caminho naturalmente abraçado sem hesitação pelo sucessor de Barak Obama. Não receamos ser desmentidos se dissermos que o mesmo aconteceria com a senhora Hillary Clinton. Em nosso entender a política americana, em particular no que respeita à defesa, é comandada não pela Casa Branca mas sim pelos interesses do chamado complexo militar-industrial que fora já denunciado, no seu tempo, por Dwight Eisenhower como potencial ameaça à democracia estado-unidense. Entretanto, sabe-se que as outras duas grandes potências nucleares militares, a Federação Russa e a China, prosseguem activamente trabalhos de desenvolvimento dos respectivos meios militares nucleares e de outros que se apoiam nos progressos fulminantes da robótica e da inteligência artificial.

O programa americano de modernização nuclear militar foi apresentado ao público como um esforço no sentido de assegurar a fiabilidade e segurança das armas nucleares operacionais já existentes nos arsenais militares e não no sentido da introdução de aperfeiçoamentos técnicos destinados a aumentar o seu poder de destruição dos alvos a atingir. Não é isso que está acontecer. Foram introduzidas modificações técnicas assentes em tecnologias novas, revolucionárias, que permitem aumentar de forma importante a precisão de tiro dos mísseis balísticos americanos.

Segundo Hans Kristensen, da Federação dos Cientistas Americanos, o ganho na precisão de tiro “é espantoso — aumentando cerca de três vezes o poder destrutivo global da actual força de mísseis balísticos dos EUA — e criando assim exactamente aquilo que se esperaria ver se um estado que possua armas nucleares planeasse dispor da capacidade de desencadear e vencer uma guerra nuclear desarmando os inimigos por meio de um ataque surpresa”.

Não duvidamos da vontade de paz da grande maioria dos habitantes do planeta, onde se inclui o povo americano, e do seu comum desejo de impedir que alguma vez seja desencadeada uma guerra nuclear ou sequer que voltem a ser utilizados explosivos nucleares, mesmo de forma limitada, como aconteceu em Hiroshima e Nagasaki. Testemunho de tal vontade é dado pela aprovação em Julho passado nas Nações Unidas do Tratado de Proibição das Armas Nucleares que é o primeiro acordo internacional juridicamente vinculativo que proíbe de forma abrangente as armas nucleares com o propósito de levar à sua eliminação total. O Tratado foi aprovado por uma esmagadora maioria de 120 membros das Nações Unidas. Houve una abstenção e um voto contra. Este partiu da Holanda, único país membro da NATO que entendeu estar presente. Todos os outros membros da NATO e todas as potências que possuem armas nucleares não se fizeram representar. A Suécia que tem acordos de parceria com a NATO manifestou desde o início uma posição de princípio favorável ao Tratado e encara a possibilidade de vir a assiná-lo. Vários estados membro da NATO não possuidores de armas nucleares e também o Japão e a Austrália, fundamentaram a sua recusa do Tratado na consideração de que as armas nucleares dos Estados Unidos são garantia da respectiva segurança. Outros consideraram que o Tratado como instrumento conducente à abolição das armas nucleares, será ineficaz, antes preconizando que sejam dados passos concretos no sentido de levar à prática o disposto no Artigo VI do Tratado de Não Proliferação das Armas Nucleares.

O Tratado de Proibição Total das Armas Nucleares foi aberto à assinatura e ratificação pelas partes em 20 de Setembro último. Nesse dia 53 estados assinaram o Tratado e outros 3 fizeram-no posteriormente. Entretanto à data de hoje apenas 3 estados depositaram os instrumentos de ratificação. A assinatura é apenas uma manifestação da intenção de vir a ser parte do tratado. A ratificação é indispensável e, nos termos do Tratado este só entrará em vigor 90 dias após ter sido ratificado por 50 estados. Um dos três estados que depositaram já o respectivo instrumento de ratificação foi a Santa Sé.

No dia 10 de Novembro, Dia Mundial da Ciência para a Paz e o Desenvolvimento, instituído pela UNESCO, abriu no Vaticano um Simpósio Internacional sobre Desarmamento e Desenvolvimento. Na sessão de abertura Francisco Bergoglio afirmou o seu entendimento de que “a existência de armas nucleares cria um falso sentimento de segurança mantendo as relações internacionais como refém e sufocando a coexistência pacífica. (…) Toda a ameaça de as utilizar, assim como a sua posse, devem ser firmemente condenadas. (…) A política de dissuasão nuclear não é mais aceitável. (…) As armas nucleares estão ao serviço de uma mentalidade do medo que atinge não só as partes em confronto mas toda a humanidade.”

O voto pela proibição definitiva das armas nucleares à luz do direito internacional, que teve lugar na sede das Nações Unidas em 7 de Julho último, deve ser saudado como proclamação de uma aspiração profunda da Humanidade para a salvaguarda da vida sobre a Terra contrariando a tirania dos negociantes da morte onde quer que se encontrem. É um passo histórico no caminho da Paz apesar de todas as contradições e dos obstáculos que se levantam nesse caminho.

Como foi sublinhado pela “Campanha Internacional para a Abolição das Armas Nucleares” (ICAN), “armamentos ilegalizados são cada vez mais olhados como meios à margem da lei, perdendo estatuto político e com ele os recursos necessários à sua fabricação, modernização e posse.”

Frederico Carvalho

Membro da Presidência do Conselho Português para a Paz e Cooperação

Presidente da Direcção da Organização dos Trabalhadores Científicos

16 de Dezembro de 2017